Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

Blog

Fique por dentro de todas as novidades sobre tecnologia, mercado e gestão.

Custo indireto e direto de fabricação: você sabe como controlar?

19/07/2021 - Carolina Barreto

Que empresa não quer reduzir os gastos e aumentar os lucros? Todas! A questão é que, para conseguir alcançar esses objetivos, é necessário que o gestor de produção saiba como calcular o custo industrial. Não só isso, saiba como fazer o rateio de custos indiretos e realizar a apuração horas homem.

 

Não sabe o que é custo industrial, nem qual a importância de realizar o controle do custo indireto e direto de fabricação? No post de hoje você vai conferir tudo que é preciso para fazer um controle de custos eficaz e sem erros.

 

Preparado? Então, vamos lá! 

 

 

Afinal, o que é custo industrial?

 

 

O Custo Industrial, também conhecido como Custo Total de Produção, é o somatório de todos os gastos e despesas incorridos durante a fabricação dos produtos.

 

Esses gastos e despesas podem ser categorizados como custos diretos (aqueles ligados à produção) ou custos indiretos (aqueles que não estão diretamente ligados ao processo produtivo).

 

Dentro do custo indireto e direto de fabricação, existem aqueles custos que são fixos e variáveis. Os custos fixos são os gastos e despesas que se mantêm independentemente do volume de produção, e os custos variáveis são aqueles que mudam de acordo com a quantidade produzida.

 

Como é praticamente impossível identificar os custos indiretos por unidade de item produzido, a empresa precisa fazer uma divisão proporcional desses gastos e despesas. Essa divisão é conhecida como rateio, e serve para alocar uma fração dos custos indiretos sobre cada produto.

 

A apuração horas homem, cálculo das horas trabalhadas dos funcionários, também precisa ser realizada caso o gestor queira mensurar o valor da mão de obra por item produzido.

 

 

Rateio e apuração horas homem: como calcular?

 

Como o cálculo do rateio e a apuração horas homem são complexos, preparamos dois exemplos abaixo para facilitar a explicação. Confira!

 

 

Rateio de custos indiretos

 

Digamos que a sua empresa gastou R$150.000 de custos indiretos e você quer ratear esse preço em três produtos. Você irá usar como base o valor gasto com matéria-prima.

 

A produção da peça X custou R$50.000, a peça Y R$20.000 e a peça Z R$30.000. Ou seja, o total gasto com matéria-prima somou R$100.000 (50.000+20.000+30.000).

 

Depois de ter o total gasto com matéria-prima, é hora de achar o percentual de participação de cada produto. E para isso você deve pegar o valor de produção de cada produto e dividi-lo pelo gasto total com matéria-prima. Nesse caso: Produto X (50.000/100.000 = 50%); Produto Y (20.000/100.000 = 20%) e Produto Z (30.000/100.000 = 30%).

 

Assim que você tiver o percentual, você vai precisar pegar esse índice e multiplicá-lo pelo valor total que a sua empresa gastou com os custos indiretos. Logo, temos: Produto X  (50%*150.000 = R$75.000); Produto Y (20%*150.000 = R$30.000; Produto Z (30%*150.000 = R$45.000).

 

 

Apuração horas homem

 

Suponhamos que 20 operários da sua indústria dedicam 10 jornadas de trabalho para completar um pedido de 1.000 unidades. Estimando que eles trabalham 8 horas por dia, o total de horas por pessoa pode ser obtido da seguinte forma:

 

20 operários x 10 dias trabalhados x 8 horas dia = 1.600h

 

Depois que tiver feito essa multiplicação, você deve pegar o número de unidades produzidas e dividir pelo total de horas trabalhadas. Nesse caso:

 

1000/1600= 0,625 unidades por hora.

 

Assim que tiver o custo de homem-hora, nesse caso 0,625, fica mais fácil inserir esse custo em cada um dos produtos.

 

 

Problemas ao não realizar o controle dos custos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se a empresa não tem controle sobre o custo indireto e direto de fabricação, custo fixo e variáveis, ela provavelmente encontrará problemas na hora de fazer a apuração horas homem, o rateio e o cálculo do custo do produto acabado.

 

Realizar o controle dos custos permite que a empresa identifique com exatidão quanto foi investido na fabricação dos itens, e por quanto ela precisa vender os produtos para ter lucratividade.  

 

 

Como o controle do custo indireto e direto de fabricação ajuda a empresa

 

Fazer o controle do custo indireto e direto de fabricação, custo fixo e variáveis, é importante para a empresa chegar a um preço justo dos produtos. No entanto, essa não é a única vantagem.

 

O controle também ajuda o gestor a ter uma visão mais ampla sobre tudo que já foi investido na fabricação. E esse conhecimento será valiosíssimo para ele tomar decisões mais assertivas para reduzir os gastos de produção e redirecionar investimentos.

 

O gestor ainda pode garantir mais lucratividade com o controle dos custos, uma vez que forma o preço de venda com exatidão e evita prejuízos. Além disso, ainda é possível melhorar a qualidade dos produtos e otimizar o tempo de trabalho nas operações.

 

Como controlar o custo indireto e direto de fabricação

 

A melhor forma de controlar o custo indireto e direto de fabricação é criando um histórico de todos os gastos e despesas que a empresa teve durante a manufatura de um produto.

O ideal é que esse histórico seja feito mensalmente, para facilitar a gestão sobre as informações, e de preferência em um software de gestão.

Se fizer o monitoramento dos custos mês a mês, ficará mais fácil para o gestor identificar quais processos estão mais dispendiosos. E, a partir daí, tomar medidas para conter os custos e aumentar a lucratividade.  

 

Tecnologia que ajuda no controle dos custos

 

Como controlar os custos indiretos e diretos de fabricação envolve uma série de dados, o gestor de produção pode ficar perdido se realizar o controle manualmente. Afinal, é muita informação.

 

Quantidade de itens produzidos, valor adquirido de matéria-prima, pagamento de mão de obra, valor pago em serviços terceirizados, custos com embalagens, despesas com água e energia elétrica, aluguéis, materiais de escritório, depreciação de máquinas, manutenção, seguro de equipamentos, enfim. Esses são apenas alguns dos diversos aspectos que é preciso acompanhar.

 

Até pouco tempo atrás, a planilha de excel era a única ferramenta capaz de ajudar o profissional de gestão nesse controle. E ela não oferecia a segurança, a confiabilidade e a agilidade necessária que as indústrias precisam.

 

A boa notícia é que, desde que tecnologias mais modernas surgiram no mercado, ficou mais fácil para o profissional controlar os custos da empresa. O que significa que as planilhas já podem ser aposentadas, e que a gestão pode ser feita sem erros. 

 

Por meio de tecnologias como o Sistema M2, é possível controlar e gerenciar todas as informações em poucos cliques. Não só isso, fazer toda a formação de preços, o orçamento de projetos e até gerenciamento de embarque das mercadorias em um só lugar.

 

O Sistema M2 está com uma novidade, que é o módulo custo Industrial para fazer o somatório do custo indireto e direto de fabricação.

 

Se você ficou curioso para conhecer esse módulo, clique e peça agora mesmo uma demonstração. Veja, na prática, como o Sistema M2 pode otimizar a gestão da sua empresa e simplificar o controle dos custos. 

 

Voltar